Fratura Luxação de Lisfranc

O que é a articulação de Lisfranc?

Lesão de Lisfranc

A articulação de Lisfranc é um epônimo da articulação médio tarsal, composta pelas bases dos metatarsos (1 ao 5) e os ossos do médio pé (cuneiforme medial · cuneiforme intermédio · cuneiforme lateral e o cubóide).







Como surgiu o nome Lisfranc?

Eqimose Plantar
típico da lesão

O termo "fratura-luxação de Lisfranc" é atribuído a Jacques Lisfranc de São Martinho (1790-1847), o médico militar do exército de Napoleão, que descreveu uma lesão quando os soldados caíam de um cavalo com o pé preso no estribo e que desenvolveu um método de amputação rápida do pé ao nível da articulação tarsometatársica para tratar essas fraturas.

Qual a incidência das fraturas luxações de Lisfranc?

De acordo com a literatura, as lesões na articulação de Lisfranc (tarsometatarsal) ocorrem em menos de 1% de todas as fraturas do pé. 


Qual a incidência de complicações nesse tipo de fratura?

Complicações significativas ocorrem devido ao lesão vascular,  um edema grave (inchaço) pode levar a uma síndrome compartimental. A formação de um hematoma (coágulo sanguíneo) pode aumentar ainda mais a dificuldade no tratamento. Em uma situações mais graves, pode ocorrer um comprometimento significativo do fluxo sanguíneo do cenário acima, poderá ocorrer amputação. Assim, o diagnóstico adequado e a redução rápida são fundamentais.

Onde esta o ligamento de Lisfranc?

O ligamento de Lisfranc liga o cuneiforme medial à base da segunda base metatarsal na superfície plantar.

Como é a estabilidade da articulação de Lisfranc ?

As estruturas ósseas estão firmemente ligadas umas às outras por um complexo de ligamentos transversos plantares, bem como os ligamentos intermetatarsais. O primeiro e o segundo metatarsos, no entanto, carecem de um ligamento intermetatarsal. 
Os ligamentos plantares são mais fortes que os ligamentos dorsais. Isso ajuda a manter o arco transversal.
A estabilidade inerente desta articulação é devido à sua forma convexa de medial para lateral. A segunda base metatarsal é bloqueada no cuneiforme medial (primeiro) e no cuneiforme lateral (terceiro). O arco transverso do tarso menor tem um efeito "trapezoidal" com o segundo cuneiforme (intermediário) como o ápice do arco transverso. Portanto, o segundo metatarso e o segundo (intermediário) cuneiforme medédio são os estabilizadores estruturais da articulação de Lisfranc.
Classificação das fraturas luxações de Lisfranc
O sistema de Hardcastle é baseado na apresentação radiográfica (raio-X) 

Como é feito o tratamento das fraturas luxações de Lisfranc?

O alinhamento anatômico preciso é imprescindível. Como o diagnóstico é difícil, muitas vezes passa despercebido. 






A integridade e estabilidade desta articulação precisa ser reparada anatomicamente. Isso equivale a evitar ou minimizar graves problemas nos pés mais tarde na vida, principalmente de dor e incapacidade para os esportes.



Comentários

Destaques em Medicina em Medicina do Esporte

Luxação Externo Clavicular

Tendinopatia Flexor Longo do Hálux

Tendinopatia do Tibial Anterior

Tendinopatia do Tibial Posterior

Tendinopatia dos Tendões Fibulares

Desidratação e Dor Muscular

Ortopedista do Esporte

Diagnóstico e Tratamento das Tendinites nas Pernas

Fraturas do Quadril Transtrocanteriana e Colo do Fêmur

Postagens mais visitadas deste blog

Luxação Externo Clavicular

Tendinopatia Flexor Longo do Hálux