Qual a melhor hidratação durante a corrida ?

Qual a melhor hidratação durante a corrida ?

  • Começar sua corrida com o corpo pré hidratado. 
  • Tomar aproximadamente 300 ml de liquido isotônico 10 a 15 minutos antes de iniciar a corrida. ( você pode usar um copo d’água com uma colher de açúcar e uma pitada de sal )
  • Você pode perder entre 180 a 360 ml de líquido a cada 20 minutos de corrida, você deve beber 300 a 400 ml de líquido isotônico a cada 20 a 30 minutos ao longo de sua rota.
  • Pesar-se antes e depois da corrida. Para cada 0,5 kg que você perder, beber aproximadamente 500 ml de líquido isotônico.

Importância da correta hidratação nos exercícios.

Uma hidratação apropriada durante a atividade física de caráter recreativo ou competitivo pode garantir que o desempenho esperado seja atingido e que problemas de saúde sejam evitados. Os procedimentos para assegurá-la requerem conhecimento de fatores que influenciam quando e o quanto beber de água. As recomendações dependem do tipo de atividade e de fatores individuais, como condicionamento físico, idade, modalidade praticada, estresse ambiental, entre outros.

Efeitos da Desidratação sobre o desempenho

O estresse do exercício é acentuado pela desidratação, que aumenta a temperatura corporal, prejudica as respostas fisiológicas e o desempenho físico, com riscos para a saúde. Esses efeitos podem ocorrer mesmo que a desidratação seja leve ou moderada, com até 
  • 2% de perda do peso corporal, agravando-se à medida que ela se acentua.
  • Com 1 a 2% de desidratação inicia-se o aumento da temperatura corporal em até 0,4oC para cada percentual subsequente de desidratação. 
  • Em torno de 3%, há redução importante do desempenho; 
  • com 4 a 6% pode ocorrer fadiga térmica; 
  • a partir de 6% existe risco de choque térmico, coma e morte. 

Suor, temperatura do corpo e osmolaridade sanguinea.

Como o suor é hipotônico em relação ao sangue, a desidratação provocada pelo exercício pode resultar em aumento da osmolaridade sanguínea. Tanto a hipovolemia como a hiperosmolaridade aumentam a temperatura interna e reduzem a dissipação de calor pela evaporação e convecção. A hiperosmolaridade plasmática pode aumentar a temperatura interna, afetando o hipotálamo e/ou glândulas sudoríparas e retardando o início da sudorese e da vasodilatação periférica durante o exercício. 

Repercução Cardiada da Desidratação

A desidratação afeta o desempenho aeróbio, diminui o volume de ejeção ventricular pela redução no volume sanguíneo e aumenta a frequência cardíaca. São alterações acentuadas em climas quentes e úmidos, pois a maior vasodilatação cutânea transfere grande parte do fluxo sanguíneo para a periferia, em vez da musculatura esquelética, ocasionando importantes reduções da pressão arterial, do retorno venoso e do débito cardíaco.

Reposição hídrica e desempenho esportivo 

A reposição hídrica em volumes equivalentes aos das perdas de água pela sudorese pode prevenir declínio no volume de ejeção ventricular, sendo, também, benéfica para a termorregulação, pois aumenta o fluxo sanguíneo periférico, facilitando a transferência de calor interno para a periferia. O reconhecimento dos sinais e sintomas da desidratação é fundamental. Quando leve a moderada, ela se manifesta com fadiga, perda de apetite e sede, pele vermelha, intolerância ao calor, tontura, oligúria e aumento da concentração urinária. Quando grave, ocorre dificuldade para engolir, perda de equilíbrio, a pele se apresenta seca e murcha, olhos afundados e visão fosca, disúria, pele dormente, delírio e espasmos musculares.

Dr. Marcos Britto da Silva

Comentários

Destaques em Medicina em Medicina do Esporte

Luxação Externo Clavicular

Tendinopatia Flexor Longo do Hálux

Fratura Luxação de Lisfranc

Tendinopatia do Tibial Posterior

Tendinopatia do Tibial Anterior

Tendinopatia dos Tendões Fibulares

Desidratação e Dor Muscular

Diagnóstico e Tratamento das Tendinites nas Pernas

Ortopedista do Esporte

Fraturas do Quadril Transtrocanteriana e Colo do Fêmur

Postagens mais visitadas deste blog

Luxação Externo Clavicular

Tendinopatia Flexor Longo do Hálux

Fratura Luxação de Lisfranc